Buscar
  • José Roberto Napolitano

Tempos de Mudanças


das as empresas possuem oportunidades para melhorar o seu desempenho, quando observamos aspectos de racionalização de custos e despesas, aumento de produtividade administrativa, industrial e comercial, melhoria da qualidade dos produtos e serviços e, redução do tempo de acesso ao mercado.

Não importa as diferenças existentes sobre porte da empresa, nem o segmento em que atua, nem a sua localização geográfica etc. O que realmente importa é a cultura organizacional, como a empresa está estruturada, o cenário em que se encontra e, principalmente, o modelo de gestão em vigor.

O que realmente importa é entender como a sua peculiaridade está conectada com o propósito do negócio e, o engajamento das equipes dos diversos setores da empresa. E, para isto, é necessário observar, conversar, pesquisar, identificar, raciocinar, discutir, enfim, encontrar o que realmente poderá fazer a diferença para cada negócio. Cada um é um.

Existem disponíveis no mercado, ferramentas para atingir todo o tipo de resultado, que qualquer empresa possa necessitar. Entretanto, exigem tempo de dedicação (foco), conhecimento (habilidade) e, motivação (propósito) para serem aplicadas e produzirem o que se propõe.

Além disso, há que se considerar, que o “avião” está em pleno voo, o caixa precisa ser abastecido e a manutenção das necessidades dos clientes mantida ou até superada, ou seja, os processos de negócio estão operando para cumprir o seu papel, mantendo a estabilidade do avião.

Manter a harmonia entre os processos de negócio é fundamental para garantir que a empresa esteja fazendo o que deveria fazer (eficácia) e da melhor forma possível (eficiência). A tecnologia fornece meios para automatizar muitas atividades, permitindo maior efetividade dos processos.

Tudo isto é muito bom, mas como alcançar os benefícios destes possíveis resultados?

Através das pessoas!

Então, perguntamos: será que todos os colaboradores estão olhando para a mesma direção? Para os mesmos objetivos? Será que todos compreendem o seu papel na organização? Será que formamos uma equipe forte? E, assim por diante...

Creio que a maioria já ouviu falar muito a respeito de que o principal patrimônio de uma empresa são as pessoas. Mas, quantas colocam isto em prática? E por que não colocam?

Bem, as razões são diversas, e não cabe aqui discutirmos a visão de cada um. O que importa realmente é reconhecer que as “dores” existem e estão lá. Como diz a filosofia Budista Tibetana: “A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional”, Sidarta Gautama.

Entendo neste pensamento, que a dor virá e deve ser imediatamente solucionada, para que não produza mais infortúnios à empresa, no entanto, é necessário ter em “mente”, que novas dores poderão surgir, pois estamos num meio dinâmico, em movimento, como um “organismo vivo”.

Criando uma equipe forte, com metodologia apropriada, e propósitos bem definidos, a solução poderá chegar antes de causar maiores problemas.

Frase de Richard Branson: “Cuide bem dos seus funcionários, e eles cuidarão dos seus clientes”.

Vamos investir nas pessoas!!!

0 visualização

Muster Consultoria

©2019 Muster Consultoria by Ateliê Danjô